O que é Feng Shui?

O progresso tecnológico tornou nossas vidas mais produtivas e nos proporcionou múltiplas possibilidades de diversão e conforto. No entanto, ficou muito difícil preservar nossa relação com a natureza. O Feng Shui, ou Kan Yu, é uma arte de harmonização energética chinesa que busca organizar os nossos espaços de modo a reintegrar o ser humano à  natureza, à Terra e ao Céu. O Feng Shui surgiu na China há aproximadamente 4.000 anos e significa literalmente Vento-Água. As pronúncias mais usadas são: Fong Suei, Fong Chóe e Fan Sui. Os estudos de Feng Shui na China, desenvolveram-se a partir de técnicas ancestrais e foram difundidos através de  tradições familiares, sendo passados também de mestre para discípulo diretamente. Sua aplicação inicial Yin Zhai e Yang Zhai se destinou à identificação do posicionamento mais adequado para os túmulos dos imperadores.

A condição humana é sempre fruto e resultado do desenvolvimento de uma relação tanto com a Terra quanto com o Céu. O Homem ergueu seu olhar para o Céu e começou a perceber a relação entre os movimentos das estrelas e os fenômenos que se passavam na Terra. Foi possível extrair ordem do que aparentava desordem e essa é a função da inteligência. O Feng Shui não se inspirou na obra de uma só pessoa, mas em uma tradição e conhecimentos acumulados durante milênios.

Investir na arte milenar chinesa do Feng Shui é uma forma de manter esta conexão com a natureza, tão necessária à nossa saúde. A prática do Tai Chi Chuan e Chi Kung, bem como o consumo de produtos orgânicos são também formas de reatar essa ligação com a natureza. O Feng Shui ajuda a equilibrar as energias naturais de um espaço, descrevendo o movimento do universo e mostrando como as energias das oito direções do céu (norte, sul, leste, oeste, nordeste, sudoeste, noroeste, sudeste) influenciam a Terra e todas as criaturas. Do mesmo modo, essas energias influenciam diretamente a saúde do indivíduo, suas relações familiares, amorosas, sociais e profissionais, bem como sua moradia e o crescimento de seus negócios e projetos. Os chineses, assim como os egípcios, os celtas, os aborígenes da Austrália, os tibetanos, os indianos, entre outros, desenvolveram muitos estudos para compreender as relações entre o Céu e a Terra. A partir daí puderam identificar o local ideal e a época mais adequada para desenvolver projetos de agricultura e de arquitetura, inicialmente limitados a cemitérios, palácios e templos.

Nessas fases da história da humanidade, a arquitetura era considerada uma das mais elevadas formas de arte, não sendo estudada de modo isolado e sim, associada às ciências.

Escolas de Feng Shui

O Feng Shui Tradicional pode ser dividido em duas tradições:
– Tradição San-Yuan (3 Ciclos): É considerada a mais antiga – Dinastia Tang (618-906 d.C.). A Escola da Forma é a sua referência. Usava-se uma bússola magnética.
– Tradição San-He: Criada há aproximadamente mil anos, também se desenvolveu a partir da observação da forma das paisagens voltadas para o Norte da China. A Luo Pan (bússola chinesa) é utilizada. As Escolas relacionadas a San-Yuan
Xuan (Vazio) está relacionado com a evolução contínua e infinita da energia, e Kong (Misterioso). A compreensão dessas referências é importante para o estudo da Escola originada na Tradição dos Três Ciclos.
– Xuan-Kong Zi Bai (Púrpura-Branca): Considerada como uma das primeiras originárias dos Três Ciclos, baseia-se nos estudos do Quadrado Mágico.
– Xuan-Kong Fei Xing (Estrelas Voadoras): Baseia-se também no Quadrado Mágico estudando o Tempo e o Espaço. Esta escola estuda o movimento do “Chi” ou “Qi” – energia vital ou polarizada dentro e fora das construções, sua evolução e transformação no tempo.
– Xuan-Kong Da Gua (64 Hexagramas do Yi Jing): Mais utilizada para identificar a localização de uma construção no terreno. Considera interpretações matemáticas dos Hexagramas.
– Xuan Kong Long Men Ba Da Ju (Portão dos Dragões): Estuda as influências energéticas do fluxo do “Chi” nos rios, nas de ruas, vias e avenidas. Sua referência está nas relações entre o Xian Tian Ba Gua/ Seqüência do Céu Anterior e Hou Tian Ba Gua/ Seqüência do Céu Posterior.

Interpretações atuais das Escolas de Feng Shui

Do conhecimento original chinês partiram duas escolas tradicionais e outras surgiram no ocidente.

Escolas Tradicionais Chinesas

– Luan Tou (Estudo de Forma): Como as Formas externas influenciam as construções.
– Li Chi ou Qi (Práticas com o uso da Bússola): As Luo Pans mais atuais que reúnem duas ou mais técnicas de escolas diferentes (como a San-Yuan, a San-He).

Escola Californiana ou do Budismo Tântrico Tibetano do Chapéu Negro

Essa escola é a mais difundida no Ocidente. Utiliza rituais e práticas de consagração nos imóveis, tornando-se uma técnica extremamente intuitiva e voltada para o cultivo de energias dos “cantos” internos dos espaços. Não utiliza a bússola e aplica as referências do trigrama Kan, da direção Norte, a partir da porta de entrada de cada ambiente.

Demais escolas:

Oito Aspirações:
Utiliza os pontos cardeais para direcionar as “qualidades do Ba Gua”.

Space Clearing (Limpeza Energética de Espaços):
Utiliza rituais e práticas de consagração para fazer limpeza energética tendo o Ba Gua como referência.

Pirâmide:
Adiciona a idéia junguiana de arquétipos na “cura” dos cantos tendo a neurolinguística atual como referência.

Vastu Shastra:
Técnica que tem sido comparada com o Feng Shui chinês e considerada por muitos como o “Feng Shui indiano”, embora não tenha nenhuma referência com as tradições chinesas.

Maria Teresa Saldanha
Diretora do Instituto Brasileiro de Feng Shui, fundado em 1996